23 de março de 2010

Ainda somos os mesmos?

Por: Marcela Santos

Tenho muito orgulho de ser um jovem “século XXI”. Assim como tenho muito orgulho de ser brasileira, nascida em Belém do Pará. E digo isso não porque considero a época perfeita para nascer ou o país perfeito para morar, mas porque é o que tenho, e devo zelar por aquilo que é meu. Clichê ou não, é uma verdade quase indiscutível.

Cidadania é isso. É querer conhecer a sua origem, é se importar com seu lugar e fazer aquilo que lhe cabe para com ele. Não por simples obrigação, mas porque você realmente quer fazer a sua parte. E porque, se todos assim o fizessem, não haveria uma desigualdade tão claramente perceptível entre regiões, classes, etc. Veja bem, não digo que o mundo seria cor de rosa, mas que seria bem “menos pior”.

Existem, é claro, vários motivos pelos quais não se veem a prática de cidadania entre a população. Mas, um dos que mais me chama atenção é a falta de colaboração e interação dos jovens com adultos, e vice-versa. Em vez disso, há, entre cada um desses lados, a vontade de que prevaleçam suas ideias. Algo que, na minha humilde opinião, significa atraso.

O que melhor do que a união das novas ideias e perspectivas dos jovens entusiasmados, ao visionarismo dos adultos experientes? Uma bela combinação que resultaria na “reciclagem” de uns e na formação de outros. E nós precisamos de cidadãos que ajam, não daqueles que só sabem criticar a incompetência do governo.

Por isso, eu não entendo essas divergências “jovens x adultos”. Não entendo quando vejo jovens ignorando conselhos dos mais velhos, ou adultos desprezando a opinião dos mais novos. Simplesmente, não entendo...

Eis aqui a música velha – ou melhor, a velha música – que, na verdade, pode ser bem atual, na maioria das vezes:

4 comentários:

thiago disse...

Menina inteligênnnnte...rs
Gosto muito de devorar o que você escreve.
Obrigado por existir,menina mórbida,sencível e crítica.
Amo-te.

Marcela Santos disse...

Obrigada, menino!
Mas, eu não sou mórbida. Meu texto é bem direto comparado aos teus e da Luana...

Te adoro, menino escritor C=

Rafa do Vale disse...

Realmente seria tão bom se utilizassemos a experiencia dos mais velhos para que de certa forma acabacemos com a certa comformidade que existe em alguns jovens da atualidade...è PRECISO QUERRER, AGIR E LUTAR PARA MUDAR A REALIDADE!!

Edinaldo disse...

aaaa... essa musik e do meu tempo.... gostei do texto e de tuuudo marcela