14 de julho de 2011

Haizeak


      A casa estava vazia. Nada havia, a não ser a mobília limpa e lustrada. O luar refletia num enorme espelho plano de um cômodo de dormir. Lá fora, naquela noite triste, estava quem eu menos queria encontrar.
      Ruas vazias: uma leve impressão de desconforto. Não gosto de ruas vazias. Às vezes, sou meio marrenta com o frio. Todavia, a lua, tão alta, roubava-me a atenção maior. E me vi lembrando das pegadas de 1969.
      Ouvi um barulho na cozinha ( por que todos os ruídos mais estranhos acontecem na cozinha? ). Fui andando pelo enorme corredor da minha casa. Algo inesperado acontece. Foi-se a luz... Odeio corredores escuros - ainda mais quando um barulho estranho me persegue a consciência! Sem perceber, estava andando na ponta dos pés. Minha camisola de seda branca se arrastava com meus passos rumo à cozinha. O chão, de porcelanato importado, estava frio. A respiração aumentava... Meus dedos inferiores congelavam. Muito tensa, alcancei a maçaneta da porta. Tremendo, virei-a. Ela se abriu. Nada vi. Mexi no interruptor. Esqueci que a luz se fora. Estava com medo... "Quem está aí?" - perguntei fazendo uma voz grave. "Eu vou chamar a polícia, ouviu?!" - disse morrendo de medo de, realmente, ter que fazer aquilo. Foi então que ouvi passos se aproximando rapidamente de mim. " Tudo bem! Tudo bem! Eu não chamo mais a polícia!" - disse desperada, quando aquela criatura se lançou sobre mim, lambendo o meu rosto. Era o meu cachorrinho. "Que idiota que sou..." - pensei.
      Agora, pelo menos, havia "alguém" comigo. A escuridão permanecia. Espalhei velas pelos cômodos. Era raro faltar luz nos bairros centrais da região de Bilbao, a qual consideramos como parte do que eu e meu povo reconhecemos como País Basco.
      Noite de inverno. O frio foi chegando como carrasco. O aquecedor não funcionava. E por mais que as velas lumiassem o suficiente para ver minha sombra, ainda estava com medo. Eu tinha pavor de sombras.
      Fui para o quarto tentar dormir sob os raios de luz dourados que atravessavam a janela. O meu Rolex acusava 2h.48 . Tivera um dia exausto.
      Abri a janela. Queria ver o luar uma última vez. As estrelas cintilavam mais nítidas devido ao apagão. E os senhores itinerantes fótons faziam um retrato no céu, com pincel movido a  3.10⁸m/s.
      Meus olhos caíram no sono. Cometera o maior erro: esqueci a janela aberta. 
      Ele entrou bem devagar. Analisou os cômodos. Não incomodou o cachorro. Viu-me refletida no enorme espelho plano e a sua respiração o deixou embaçado. Tinha o olhar frio e era frio. Não dizia coisa alguma. Entretanto, seus idiomas mudavam com as estações. Entrou por baixo dos meus lençóis. Senti sua presença. Eu o procurara no verão, mas havia sumido, deixando o descaso. E, por isso, pingava de calor. Eu estava ardente  naquela época. Não o queria agora. Mas ele veio para me invadir. Senti minhas pernas sendo lambidas. Encolhi-me na tentativa de não ir mais além. Porém, ele veio me pegando de costas, lançando-me um silêncio constrangedor e sedutor, que me fez gemer por estar perdida entre aqueles abraços não benquistos. As velas já estavam derretidas. E as poças de cera me olhavam com misericórdia. Mas, de repente, a luz veio descobrindo todos os cômodos. O aquecedor - automático - liberou o seu calor. Energia! O maldito estuprador foi-se correndo, saindo desajeitado pela janela. Não era um homem. Não era um moleque. Pior (!) : era o vento gélido do inverno basco - como falamos: um Icy Haizeak
      Sou do tipo marrenta com o frio!
                                                                                 
                                                                               ( Thiago Vieira Cruz )

27 comentários:

Amanheceu um pensamento disse...

Mais um textículo para quem gosta do "brog"! Hehehe.
Thiago Cruz.

Marcela Santos disse...

Hahaha! Adorei =)
Totalmente inesperado!
E muito decorativo para você... De Geografia à Física, pura boa imaginação!

Lindo, você! ♥

- Senti as lambidas e pegadas gélidas. Também odiei-o! RS

Camila disse...

adoro os seus texticulos thiago!
haushaihsiahsiasis
fiquei c medo desse texto mas no final era a porcaria do vento... muuuito legal!!!!!! vc se supera em cada post.........

Camila disse...

E mais....... qria saber se vc tem livro pq eu quero comprar...rs.
Á! vc é mto detalhista tbm e iso envolve a imginaçao do leitor e prepara nossa emossão p o inesperado q vc adora criar......
eu num gosto mto do frio tbm...
agora tda vez q for inverno,fikrei mas atenta a janela....hahahahaS2S2

Anônimo disse...

caraaaaaaaca mtoooo legal

MS disse...

Tô de olho! Rs

igor disse...

a blogosfera nos da essa oportunidade de encontrar blogs como esse......c conhecimentos gerais desde a vida social e espiritual até a físca pura e geografia populacional e cultural.habilidades de tdos os escritores é linda!
simplisment adoro esse espaço.....
parabens pessoal

Bruna disse...

que legal o seu estilo!!!!!
ja me deparei c mtas surprezas nos seus textos.
vi o link do blog no twitter e nao me arrependi de visitar
sao poucos textos,mais suficientes p me dexar babando p querer um livro seu....rsrsrsrs
legal!legal!mto legal!

Tia Nádia disse...

Lindo, fiquei com medo do suspense, mas ........... Não gosto do frio t bm.
Parabens menino escritor

Alessandra disse...

aaaaaaaaaaa... mtooo lindo!!!!
adorei o final!!!!!!
era só o vento...e eu toda com medo aqui....kkkkkkkkkk
amei!

Anônimo disse...

ops...ouvi um barulho na minha janela...

karla disse...

kkkkkkkkkkkkk.........gostei gostei mtoOOO!!!!!
o final é engraçado!kkkkkkkkkkk
teve um suspensesinho......
vou dormir olhando p janelao do meu quarto....kkkkkkk

Anônimo disse...

eu tava procurando algo sobre o pais bas co na net p estudar geog. e vim parar aqui nesse blog........
agora sei q tem ventos tarados lá e luas de arrepiar....kkkkkkkkk

fabio disse...

lindamente lindo!

Antônio disse...

Texto altamente informacional,envolvente e,fala sério,lindo!

Antônio disse...

Ei(!): é lindo MESMO!!!

Caio Fernando disse...

Faço dessa frase as minhas palavras: "Sem palavras!"
Parabéns,colega!

pedro disse...

que bonito!!!!estou ate agora pensanmdo nessa sua historia.... faz alguns dias q li ela mais minha mente tava me incmdando p eu vim comentar aqui!!!!!bom!muito bom!ja da um filminho.....kkkkkk

Maria eduarda disse...

amei.....rsrsrs

Francisco Renaldo disse...

Gostei bastante do suspense,do lugar do enredo,da história!

Cecília Naomi disse...

Adorei!

Roberta Dias disse...

vai te pra merda! tu esqcreve pra cacete!!!!!

edir disse...

adooooooooro oq vc escreve lindo!!!!!!

Elias disse...

égua gostei!

Matheus Guilherme disse...

Que texto bom de ler. Finalmente encontrei algo criativo e sinceramente agradável como leitura. Já percebi lendo alguns textos seus que adoras colocar algumas gotas de suspense em alguns parágrafos. Acho que isso funciona bem pois chama a atenção e isso com certeza envolver completamente todo o resto da leitura. Dan Brown. Valeu a pena ler.

Amanda Dias disse...

esse com certeza é um dos melhores textos que eu já li aqui.... eu fico tentando entender como ceras pessoas conseguem me envolver como você, Thiago, em determinadas leituras como essa. maravilhosa! eu gostei muito...palmas pra ti!

Igor Jaty disse...

Parabéns!!! És mesmo um nato escritor, sabes usar bem as palavras. Fazia tempo que não lia algo seu, tava com saudades.